Viagem à Serra da Estrela para recuperar energias

Relaxar e retemperar energias num ambiente natural, com ar puro e fresco. O encanto da Serra da Estrela e a história do antigo Sanatório das Penhas da Saúde.

Uma viagem à Serra da Estrela para refrescar ideias e relaxar na Pousada da Serra da Estrela.

A Pousada foi, em tempos, um sanatório para tratamento da tuberculose quando da doença padeciam os funcionários dos Caminhos de Ferro Portugueses – o Sanatório dos Ferroviários.

Viagem à Serra da Estrela. Vista da Pousada.
Vista da Pousada.

A Criação do Sanatório das Penhas da Saúde, na Serra da Estrela

Foi mandado construir com um projeto do Arquiteto Cottinelli Telmo e a realização da obra durou entre 1928 e 1936.

A escolha do local foi determinada pelo facto de já se ter conhecimento de que o ar puro e fresco das terras altas era benéfico para o tratamento da doença e, por isso, este sanatório está situado no local designado Penhas da Saúde a 1200 metros de altitude no sopé da Serra.

Imagens com momentos da viagem à Serra da Estrela.

Natureza
Natureza

 

Ar puro e fresco
Ar puro e fresco

 

Nascer do Sol
Nascer do Sol

Nesta viagem à Serra da Estrela, passamos pelo Sanatório dos Ferroviários nas Penhas da Saúde, junto à Covilhã, fazia parte de uma rede de 11 sanatórios existentes no início do século XX.

Apesar deste tipo de tratamento proporcionado a quem padecia de tuberculose, 75% dos doentes que davam entravam nos sanatórios, morriam decorrido um período médio de 5 anos.

A Doença

A tuberculose é uma doença infecciosa, cujo bacilo foi descoberto em 1882 por Robert Koch, o qual veio a receber o Prémio Nobel da Medicina em 1905.

Depois de ter ficado claro que a doença era contagiosa, em países como França e Inglaterra foi proibido que se “escarrasse” em locais públicos e as pessoas doentes eram “encorajadas” a ir para os sanatórios.

No século XIX a doença foi devastadora, em particular para as pessoas mais desfavorecidas e, por isso, ficou conhecida como a “Doença do Século”, imortalizada nas sua obra, por muitos artistas e escritores, como por exemplo, a personagem de Maria, que sofre de tuberculose, no livro Frei Luis de Sousa de Almeida Garret.

Retemperar energias com vista panorâmica
Retemperar energias com vista panorâmica

A Violeta de “La Traviata” de Verdi, baseada no romance “A Dama das Camélias” de Alexandre Dumas (filho) também padece da doença, apaixona-se por Alfredo e, imortaliza a tuberculose, agora, como a “Doença do Amor”.

O caminho da cura para a tuberculose passou pela descoberta dos antibióticos, sendo que as primeiras substâncias com a característica de matar ou impedir o desenvolvimento das bactérias, eram produzidas através de fungos, como a penicilina. Deve-se a Alexander Fleming, Prémio Nobel da Medicina em 1945, a sua descoberta.

Também a chamada “pasteurização” do leite foi importante como modo de prevenir a doença, já que as vacas e o leite eram uma fonte de propagação do bacilo.

Com a evolução da medicação para a tuberculose os sanatórios foram deixando de ter a importância que tinham e encerrando, sucessivamente.

A Evolução do Edifício

O Sanatório dos Ferroviários, depois Sanatório das Penhas da Saúde, teve o mesmo destino.

Após várias vicissitudes o edifício que esteve entregue à Sociedade Portuguesa de Sanatórios passou pelas mãos, na década de 50, do Instituto Nacional de Tuberculose e encerrou portas definitivamente ,em Junho de 1969.

Com o processo de descolonização, após o 25 de Abril de 1974, este magnífico edifício abrigou cerca de 700 retornados vindos das ex-colónias.

Em 2011 o velho Sanatório dos Ferroviários tornou-se na Pousada da Serra da Estrela, tendo sido sujeito a profunda remodelação que esteve a cargo do Arquiteto Souto Moura, que não lhe retirando a beleza e a imponência, deu-lhe nova serenidade fazendo jus à natureza envolvente e com a Serra da Estrela ali em redor.

Pousada da Serra da Estrela, Penhas da Saúde.
Pousada da Serra da Estrela, Penhas da Saúde.

A Pousada da Serra da Estrela , imagens da viagem à Serra da Estrela!

 

Siga o Pássaro no Ombro numa das redes sociais em que estamos.

Partilhe este artigo, na sua rede social preferida.

Faça um comentário e dê as sugestões que entender.

E não esqueça, junte-se à nossa rede de seguidores, registando o seu mail para ser notificado de novos artigos.


 

Siga-nos e faça um Like:

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.