Castelo de Neuschwanstein de Luis II, Baviera

Visita ao Castelo de Neuschwanstein de Luis II da Baviera, os contos de fadas, a Cinderela e o Palácio da Pena em Sintra!

Castelo de Neuschwanstein, Luis II, Baviera
Castelo de Neuschwanstein, Luis II, Baviera

A ideia do Castelo

Uma visita ao Castelo de Neuschwanstein vale não só pelo encanto da área envolvente de exuberante floresta, no sopé dos Alpes, mas também pelo ambiente de encantamento que nos sugere a sua arquitetura.

É um dos Palácios mais famosos da Europa por ter sido a fonte de inspiração para o Castelo da Cinderela, da fada madrinha e do príncipe encantado, uma criação de Walt Disney.

O Castelo foi idealizado e construído pelo Imperador Luis II da Baviera, conhecido por Luis, o Louco.

Luis II tinha Richard Wagner como seu amigo e protegido e inspirou-se nas suas ideias e obras. O nome Neuschwanstein é uma referência ao “Cavaleiro do Cisne” de Lohengrin, da Ópera de Wagner com esse nome. Originalmente o Castelo era a sede dos cavaleiros de Schwangau cujo brasão era o Cisne e daí o nome da Ópera de Wagner e do Castelo.

A construção do Castelo de Neuschwanstein

A construção deste Castelo teve início em 5 de setembro de 1869 e foi desenhado por um criador de cenários teatrais, em vez de um arquiteto, tal era a ideia de Luis II para criar um Palácio deslumbrante, com o encantamento dos contos de fadas, como se tornou a Cinderela.

Claro que a obra teve sempre a supervisão de Arquitetos da Corte dado que a sua construção, num local acidentado, era difícil.

A localização

O local foi escolhido por Luis II que conhecia muito bem a zona, no Sul da Baviera, pois lá passava temporadas com a sua mãe, quando criança, no Castelo de Hohenschwangau, em frente ao que idealizou.

O Castelo não chegou a ser finalizado mas Luis II viu concluídas algumas salas, as quais habitou por pouco tempo. A sala do trono, a sua suite, uma sala com uma pequena cascata, em forma de gruta, a cozinha equipada com água quente e fria, o seu gabinete, a sala de jantar e o Hall dos Cantores, local para os músicos e dramaturgos atuarem. A sala do trono não tem trono, dado que Luis II morreu antes de o mesmo estar pronto.

 

Luis II da Baviera, visionário e tecnólogo

Luis II recorreu à tecnologia mais moderna da sua época, como seja a introdução da electricidade na Baviera e, na estrutura dos seus Castelos, usou o mais recente à época, incluindo engenhos a vapor e elétricos, ventilação e canalizações para a água e aquecimento. Foram contratados muitos artesãos de várias artes para a construção de mobiliário e de todos os detalhes decorativos.

Castelo de Neuschwanstein Baviera
Castelo de Neuschwanstein Baviera

A deposição de Luis II da Baviera

Dois anos após a sua subida ao trono da Baviera, esta foi anexada pela Prussia e, posteriormente, englobada no Império Alemão.

Na sequência dessa evolução Luis II dedicou-se aos seus projetos criativos. Assim, gastou todas as suas rendas e contraiu empréstimos junto das casas reais europeias, para a concretização das suas ideias.

Luis II inicia, então, amizade com uma prima distante, a duquesa Isabel da Baviera, conhecida por Sissi. Esta, ficou para a história como uma Cinderela Imperial e viria a casar com Francisco José I, Imperador da Austria e Hungria. Ficou, depois, noivo da duquesa Sofia Carlota da Baviera, irmã de Sissi, mas o noivado foi sucessivamente adiado e, por fim, cancelado.

O seu comportamento extravagante, os gastos que fazia e a derrocada financeira da Baviera, originaram um movimento de contestação que culminou com uma declaração de insanidade de Luis II e com a sua prisão, em 12 de junho de 1886.

Castelo de Neuschwanstein Luis II Baviera
Castelo de Neuschwanstein Luis II Baviera

A morte Misteriosa

A 13 de Junho de 1886, primeiro dia do seu cativeiro, Luis II foi passear com um dos psiquiatras responsáveis pela declaração da sua insanidade, no bosque do Palácio onde o instalaram. Desapareceram ambos nesse mesmo dia e os seus corpos foram encontrados, mais tarde, a flutuar no lago. A causa das mortes é, ainda hoje, muito discutida e envolta em mistério.

O Palácio da Pena em Sintra, por vezes chamado o Neuschwanstein Português

O Palácio da Pena, contemporâneo do Castelo de Neuschwanstein, foi idealizado por D. Fernando II que crescera em terras da sua família, Saxe-Coburgo-Gota-Kohary, na atual Eslováquia e nas Cortes Austríaca e Germânica, foi Príncipe Consorte no reinado de D. Maria II.

Por morte da Rainha foi Regente de D. Pedro V, até 1855.

Fernando II foi conhecido como o Rei Artista pelo impulso que deu às artes em Portugal.

Não perca uma visita ao Castelo de Neuschwanstein na Baviera e sonhe com a Cinderela

Castelo de Neuschwanstein e a Cinderela
Castelo de Neuschwanstein e a Cinderela

Não perca os próximos artigos. Registe o seu mail, para ser notificado gratuitamente dos nossos novos artigos.

Siga o Pássaro no Ombro numa das redes sociais em que estamos.

Partilhe este artigo, na sua rede social preferida.

Faça um comentário e dê as sugestões que entender.


 

Siga-nos e faça um Like:

Simulação de crédito para baixar a prestação mensal

Simulação de crédito para habitação, com exemplos para simular empréstimo, incluindo juros, encargos mensais e seguros. Simular financiamento para encontrar a menor prestação mensal!

O peso da divida
O peso da divida

Na compra de habitação própria com recurso a empréstimo, fizemos no artigo anterior alguns exercícios de simulação de crédito, com várias alternativas que se podem colocar. Vamos agora simular financiamento com mais algumas hipóteses, com vista a uma prestação mensal mais baixa possível.

Exemplo Inicial:

Vamos manter os pressupostos de crédito à habitação do exercício inicial do artigo anterior, para simular empréstimo, no valor de 100.000€ e sem pretendermos simular financiamento para aquisição de outros bens.

Na simulação de crédito, consideramos a Euribor a 6 meses fixada em -0,258% e um spread de 1,5%.

Assim, a taxa de juro anual nominal (TAN), como vimos, será de 1,5% – 0,258% = 1,242%

Partimos do princípio que pretendemos um período de carência de 6 meses e não vamos utilizar a possibilidade de haver diferimento de capital.

Vamos admitir que os encargos iniciais do empréstimo são 750€, para avaliação do imóvel, análise da operação pela Instituição Bancária, preparação e concretização da escritura do contrato de compra e venda e também da hipoteca.

Custo mensal da comissão bancária, 3€.

Admitimos, para a simulação de crédito, que os prémios de seguro têm um valor anual de 250€ (seguro de vida habitação e seguro multiriscos habitação).

Caso 1

Vamos alterar o período do empréstimo de 240 para 300 meses (25 anos) e simular financiamento.

Usando o simulador do Banco de Portugal chegamos ao seguinte:

Impacto do prazo com simulação de crédito
Impacto do prazo com simulação de crédito

A prestação mensal passa de 495,91€ para 412,81€, porque o período de amortização aumentou de 20 para 25 anos. Uma redução de 83,1€ (16,8%). Mas, “não há bela sem senão” e claro que, sendo o período do empréstimo maior, o valor total de juros a pagar, seguros e outros custos também aumenta.

A seguir, vamos simular empréstimo admitindo que se consegue negociar com o Banco, um valor para os seguros mais favorável.

Caso 2

Impacto dos seguros na prestação

Seguro de vida habitação, 50€

Seguro multiriscos habitação, 100€

Total, 150€

Estamos a admitir que os valores anuais dos seguros não se alteram e que são 150€. Contudo, é natural que o seu Banco possa diminuir este valor ao longo do tempo. Se for o caso, use os valores que o Banco lhe entregar ou então considere um valor médio anual, como fizemos na simulação do crédito.

Restantes pressupostos iguais ao exemplo inicial

Simular financiamento e impacto dos seguros na prestação
Simular financiamento e impacto dos seguros na prestação

Assim, a prestação mensal passa de 495,91€ para 404,48€, uma redução de 91,43€ (495,91 – 404,48) ou seja 18,4%. Comparando a simulação de crédito para o mesmo período, a prestação reduz de 412,81€ para 404,48€, menos 8,33€ (2%).

Caso 3

Em seguida vamos simular financiamento, só alterando o período de carência, que passa a não existir.

Simular empréstimo sem período de carência
Simular empréstimo sem período de carência

A prestação mensal passa então a ser de 403,55€, um pouco mais que no caso anterior, 0,93€ (404,48€ – 403,55€) mas com a vantagem de reduzir os juros e outros encargos.

Não há dúvida que escolher o Banco e negociar as condições é fundamental. As comissões, encargos e seguros, variam de Banco para Banco, sendo que o principal foco da negociação deve ser o spread e, com estes fatores negociados, pode ainda considerar o período de carência e o prazo de amortização.

Não perca os próximos artigos. Registe o seu mail, para ser notificado gratuitamente dos nossos novos artigos.

Siga o Pássaro no Ombro numa das redes sociais em que estamos.

Partilhe este artigo, na sua rede social preferida.

Faça um comentário e dê as sugestões que entender.


 

Siga-nos e faça um Like:

Simulação de empréstimo para habitação própria permanente

Calcular o custo do crédito à habitação própria permanente, incluindo juros, encargos mensais e seguros, para saber as prestações mensais a pagar. Simulação de empréstimo. Vamos fazer as contas com alguns exemplos e simulações!

Crédito à habitação
Crédito à habitação

Na compra de habitação própria permanente, com recurso a crédito à habitação é boa prática fazer exercícios de simulação de empréstimo das várias hipóteses que se podem colocar. Para desbravar um pouco esse caminho, vamos apresentar alguns casos e o impacto nas prestações mensais.

Exemplo 1:

Continue reading “Simulação de empréstimo para habitação própria permanente”

Siga-nos e faça um Like:

Compra de Casas ou Arrendamento para habitação

Em Portugal, é melhor o arrendamento urbano ou a compra de casas para habitação? Vamos fazer as contas com alguns exemplos!

Arrendar ou Comprar
Arrendar ou Comprar

Os preços do arrendamento urbano e da compra de casas para habitação têm aumentado em Portugal, com a pressão do turismo, da permanência dos residentes não habituais e do mercado do alojamento local. Há poucas casas para arrendamento e isso faz com que o valor das rendas aumente e alguma oferta destinada ao arrendamento urbano, foi provavelmente vendida. Esta realidade é particularmente evidente nas zonas de Lisboa, onde a referida pressão tem sido grande.

Continue reading “Compra de Casas ou Arrendamento para habitação”

Siga-nos e faça um Like:

Matérias Primas do seu negócio, avaliar custos em 6 passos

Com o menu de restaurante caseiro ou outro cardápio vamos calcular os custos das matérias primas e ver o resultado do projeto de restauração. É o que iremos exemplificar!

 

Cramble de maçã
Cramble de maçã

Analisámos a margem de lucro, do nosso exemplo de restauração, relativo a um dos produtos no cardápio dos nossos almoços.

Já tínhamos definido que iríamos considerar outros produtos e serviços no Plano de Negócios de restauração, para discutir o impacto da estratégia nos custos das matérias primas na confeção das iguarias do nosso menu de restaurante.

1.Plano de vendas diário

Como já tínhamos visto, com o cardápio de todos os produtos, chegámos ao plano de vendas diário seguinte:

Continue reading “Matérias Primas do seu negócio, avaliar custos em 6 passos”

Siga-nos e faça um Like:

Calcule o Custo de Produção do seu negócio em 5 passos

Calcular os custos de produção do seu negócio, para chegarmos à margem de contribuição ou margem bruta. Veja-nos a calcular a margem de lucro!

Margem de Contribuição Negócio de Restauração
Negócio de Restauração

Na sequência do plano de vendas que elaborámos, continuamos o nosso exercício, agora, para avaliar o custo de produção e calcular margem de lucro, margem bruta ou margem de contribuição, como também se diz.

Vamos utilizar o mesmo exemplo de Plano de Negócios:

Negócio na restauração, agora para discutir o impacto das nossas ideias e estratégia e calcular margem de lucro.

1.Os produtos que vendemos por dia

Continue reading “Calcule o Custo de Produção do seu negócio em 5 passos”

Siga-nos e faça um Like:

Biblioteca do Palácio Nacional de Mafra, um marco do conhecimento

Visitar a Biblioteca do Palácio Nacional de Mafra é saber reconhecer que aqui estão concentrados muitos saberes e conhecimento à época de D. João V, o Magnânimo. O Index e os livros proibidos pela Igreja.

Palácio Nacional de Mafra. D. João V e a Batalha do Cabo Matapão_(1717) Domenico Duprà_(MNAA)
D. João V e a Batalha do Cabo Matapão (1717) Domenico Duprà_(MNAA)

Visitar o Palácio e a sua Biblioteca transporta-nos à época do seu mentor, o Rei D. João V, o Magnânimo.

João V, cognominado o Magnânimo é, muitas vezes, identificado como o Rei que gastou a riqueza que tinha a sua origem no ouro do Brasil. Como acontece, frequentemente, é-se pecador por fazer e por não fazer. Na verdade, nesse tempo, houve um grande dispêndio de riqueza e, enquanto uns dizem ter sido em gastos supérfluos, outros dizem que foi um investimento. Certo é que o contexto em que se vivia em Portugal é o da saída, em 1640, do domínio dos Filipes de Espanha, da Guerra da Sucessão Espanhola que envolveu vários Estados e que terminou em 1711 e da paz com Espanha, só assinada em 1715.

Continue reading “Biblioteca do Palácio Nacional de Mafra, um marco do conhecimento”

Siga-nos e faça um Like:

Registo Online e Dístico da EMEL Lisboa – Estudo de Caso

O estacionamento em Lisboa com a aplicação EMEL ePark. A qualidade na prestação de serviços da EMEL Lisboa. O registo online e o pedido de dístico de residente.

Na sequência dos nossos artigos anteriores, vamos fazer um ponto de situação, não só da nossa experiência na utilização da aplicação EMEL ePark para o estacionamento em Lisboa mas, também, da interação com a EMEL Lisboa no registo online e no pedido de dístico de residente.

Continue reading “Registo Online e Dístico da EMEL Lisboa – Estudo de Caso”

Siga-nos e faça um Like:

Carrinhos do Monte e Carreiros do Monte, indissociáveis

Subida no teleférico do Funchal, para uma descida vertiginosa nos célebres carros de cesto ou carrinhos do Monte na Madeira. Os carreiros do Monte e as emoções destas viagens.

Os Carros de Cesto da Madeira
Os Carros de Cesto da Madeira

Os carrinhos do Monte, também conhecidos por carros de cesto, são típicos da Madeira e atualmente descem desde a localidade do Monte até ao Funchal, sendo conduzidos por especialistas, os carreiros do Monte.

Os carrinhos do Monte surgiram em meados do século XIX. Antes de 1846 não há nenhuma referência a este meio de transporte, por parte dos visitantes da Madeira e, ao invés, referem a existência de pequenas “corsas” que são utilizadas para o transporte de pessoas.

Continue reading “Carrinhos do Monte e Carreiros do Monte, indissociáveis”

Siga-nos e faça um Like:

Exemplo de Plano de Negócios com Plano de Vendas em 5 passos

Como fazer um Plano de Negócios, iniciando pelo plano de vendas, com exemplo de plano de negócios e vários produtos é o que aqui faremos!

Na sequência do artigo anterior, tratamos agora de, como fazer um plano de negócios, começando por delinear o plano de vendas.

Empresário Consultor Plano de Vendas
Consultor para o Plano de Vendas

Exemplo de Plano de Negócios

Queremos abrir um restaurante e estamos a discutir o impacto das nossas ideias e estratégia, no plano de vendas.

Continue reading “Exemplo de Plano de Negócios com Plano de Vendas em 5 passos”

Siga-nos e faça um Like: